segunda-feira, 14 de dezembro de 2020

A voz e o exemplo da experiência na superação da pandemia

 

-
Foto: ATarde

Sempre nos orientam a ouvir a voz da experiência, e talvez seja essa voz que possa nos mostrar o caminho para superar momentos adversos. Um artigo publicado pelo Journal of the American Medical Association concluiu que os idosos têm se saído melhor que outras faixas etárias no gerenciamento de emoções negativas durante a pandemia.

Mesmo sendo um grupo mais vulnerável à doença, os idosos mostram maior capacidade de resiliência. Por outro lado, vemos faixas etárias mais novas agindo dentro de um completo desrespeito ao momento que passamos. Os números mostram um aumento significativo de contaminação por Covid-19 entre os jovens.

Esse comportamento da juventude mostra, além de uma falta de cuidado consigo próprio e com o próximo, a incapacidade de se adaptar diante de dificuldades mais extremas. A voz e o exemplo da experiência mostram-se, mais uma vez, valiosos.

Atenção à obesidade

A pandemia mostrou que uma das comorbidades mais graves para a evolução da Covid-19 é a obesidade. Marcelo Zollinger, cirurgião bariátrico do Hospital da Bahia, explica: “A pandemia  aumentou significativamente a presença de pessoas em consultórios de nutricionistas, fazendo atividades físicas e também nas cirurgias bariátricas. É um sinal que mostra que as pessoas estão se preocupando mais com a obesidade. Vamos ver se é só reflexo do novo normal ou se um cuidado que veio para ficar”, conclui o médico.

UPA Barris, maior agilização

Fila e aglomeração não combinam com o novo coronavírus. Os pacientes com sintomas, por sua vez, querem e precisam saber se estão infectados ou não. Mas quem vai à UPA dos Barris tem enfrentado dificuldades. Passam por tudo o que não podem: demora, aglomeração e ainda falta de controle de pacientes com uso de máscara. Ou seja, uma ida à UPA, que deveria ser uma solução, pode virar um problema. Com a Covid-19, todo cuidado é pouco. No caso da UPA dos Barris, é importante maior agilidade e organização.

A guerra das vacinas

A semana passada começou cheia de esperança com a imagem que rodou o mundo da primeira pessoa imunizada por uma vacina aprovada e registrada contra a Covid-19. Foi no Reino Unido. Uma britânica de 90 anos recebeu a primeira dose na terça-feira, 8, em um dia que ficará marcado em nossa história recente. Por aqui, queremos saber se ainda vamos ter que encarar uma guerra de vacinas como trampolim político ou se as autoridades, realmente, vão atender à demanda da população, que anseia pelo fim dessa pandemia.

Avanços da oncologia em 2020

Especialistas de diversas partes do Brasil estarão reunidos em um encontro online que será realizado entre os próximos dias 15 e 17 para debater os avanços da oncologia neste ano de 2020. O evento, uma iniciativa do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Professor Carlos Aristides Maltez (Icam), tem o apoio da Clion e do Grupo CAM. O objetivo é atualizar os médicos junto a uma das especialidades com maior volume de publicações em revistas científicas e apresentações em congressos ao longo do ano.

DESTAQUES

Mapeamento corporal

O oncologista dermatológico da AMO, Miguel Brandão, indica o exame Mapeamento Corporal Total para pacientes de alto risco para melanoma, um dos tipos de câncer de pele.

Cirurgia ortognática

O cirurgião bucomaxilofacial Marcus Sapucaia é referência quando o assunto é a cirurgia ortognática que corrige a mordida e provoca bons efeitos estéticos.

SOCORRO:

  • – O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, disse que vai comprar mais vacinas “se houver demanda”. Importante saber: o que seria demanda para o ministro?
  • – E o prefeito eleito de Salvador, Bruno Reis, não escapou da Covid-19. Sairá do isolamento faltando pouco para assumir o comando da cidade.
  • – Ante a crise na saúde mental, a coordenadora-geral que cuidava do assunto no Ministério da Saúde, Maria Teodora, pula fora e pede demissão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário