sábado, 27 de março de 2021

Entenda por que o ovo de Páscoa é (tão) mais caro do que a barra de chocolate

 

Por que o ovo de Páscoa é tão mais caro do que a barra de chocolate?

Essa pergunta sempre surge em conversas à medida em que os mercados começam a encher seus mostruários com ovos de Páscoa. Para especialistas ouvidos pelo 6 Minutos, apesar de a matéria-prima ser a mesma, existem peculiaridades na produção dos ovos que o consumidor não vê, mas justificam a diferença de preços.

Thank you for watching

“O ovo pode ter o mesmo peso que uma barra de chocolate, mas tem uma cadeia logística diferente”, afirma Ahmed El Khatib, coordenador do Instituto de Finanças da Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado).

No site da Lacta, por exemplo, um ovo Diamante Negro de 300g custa R$ 38,90, enquanto a barra do mesmo chocolate, com 90g, sai por R$ 4,99. Se o consumidor comprar quatro barras – o que equivale a 360g de chocolate -, vai gastar R$ 19,96. Na prática, compraria 60 gramas a mais, com economia de R$ 18,94.

Quais os custos da produção?

O aumento da produção para o feriado faz com que sejam usadas mais máquinas para dar conta da produção. “A produção para a Páscoa é tão intensa que a indústria precisa de máquinas adicionais, que só vão trabalhar nesse período e é preciso embutir o custo da máquina inteira nos ovos produzidos”, afirma Renato Veloni, economista e professor no Ibmec-SP (Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais).

Com os chocolates prontos, as cascas dos ovos são unidas, são acrescentados os itens dentro do ovo (que podem ser brinquedos para crianças ou bombons), e o produto final é embalado.

No caso dos ovos infantis existe um custo adicional: os produtos que vão com imagem dos personagens infantis do momento podem ter custo de royalties, uma licença que precisa ser paga para a empresa que detém os direitos comerciais sobre o personagem.

Quem embala os ovos de Páscoa?

Uma pessoa. Todo processo de embalagem dos ovos é manual, principalmente por ser um produto mais delicado. Diferentemente das barras que têm o processo mais automatizado, os ovos passam a ter um custo maior com funcionários. Muitas indústrias contratam temporários para darem conta da demanda da Páscoa.

A expectativa da Assertem (Associação Brasileira do Trabalho Temporário) é de que sejam geradas mais de 42 mil vagas no primeiro trimestre do ano por causa do feriado. Além do embalo manual, normalmente os ovos de Páscoa têm embalagens mais sofisticadas do que as barras de chocolate.

Ovos prontos. Onde eles ficam guardados?

“Os produtos permanecem armazenados em condições de temperatura e umidade totalmente controlados e exigem uma logística muito mais trabalhosa. Cada caminhão leva menos do que sua capacidade de carga pela delicadeza do produto”, afirma Ubiracy Fonsêca, presidente da Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolate, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados).

Tanto o transporte para o local de armazenamento como para os pontos de venda são mais caros do que o de barras de chocolate. Por ser um produto frágil, o mesmo caminhão transporta muito menos ovos do que barras, sendo necessário fazer mais viagens.

Todos os ovos são vendidos?

Não e, por isso, as empresas incluem uma taxa de desperdício no custo fixo. “A produção é gigantesca, se a indústria não vende 5% do que foi produzido, não pode ter prejuízo. O empresário pode até trazer os ovos de volta para a fábrica e usar a matéria-prima, mas o custo do chocolate é a menor parte”, diz Veloni.

Para os especialistas, o chocolate deve equivaler entre 25% e 30% do custo final do produto. O restante do valor fica com a embalagem, funcionários, frete, armazenamento, marketing, entre outros custos.

Qual o papel do brasileiro no preço do ovo?

A produção é mais cara, mas os preços altos são praticados porque existe quem compre os ovos. “Historicamente, o preço consegue ser alto e comercializado, porque é uma data comemorativa, principalmente para quem tem criança em casa. O apelo do feriado viabiliza os negócios”, diz Veloni.

Para Khatib, o cenário pode ser um pouco diferente neste ano por causa da crise econômica. “O custo do ovo já é mais caro. Hoje, o nível de inflação está mais elevado. No cenário em que as pessoas estão perdendo renda e emprego, acho que naturalmente vão deixar de consumir ovos de Páscoa neste ano”, afirma.

Na hora de comprar, pesquisar os preços é fundamental. Segundo uma pesquisa do Procon-SP, o mesmo ovo de Páscoa foi encontrado até 50,48% mais caro em diferentes lojas.

Dólar mais caro, ovo mais caro

“A valorização do dólar é um golpe para a indústria do chocolate, principalmente por causa do cacau. As embalagens são confeccionadas a partir da indústria petroquímica e o petróleo está sofrendo um aumento de preço. Tudo isso tende a encarecer o ovo de Páscoa”, afirma Khatib.

Uma pesquisa divulgada pela Abras (Associação Brasileira de Supermercados) mostra que os ovos devem ficar cerca de 11% mais caros em comparação ao ano passado (Uol).

Nenhum comentário:

Postar um comentário