segunda-feira, 13 de março de 2017

Para deter pobreza, Banco Mundial defende que Bolsa Família cresça no Brasil

Estudo produzido pelo Banco Mundial defende a ampliação do Bolsa Família para que a pobreza não aumente no país."Se isso é possível, o Brasil tem que decidir", afirmou Emmanuel Souklas, economista da instituição. Segundo ele, ao sugerir crescimento do programa, o Banco Mundial faz seu papel de "advogar pelos pobres".
 
Para garantir esse aumento o investimento no programa para 2017 deve passar para R$ 30,4 bilhões (ano passado foi de R$ 28 bilhões). A previsão do governo é que o total chegue este ano a R$ 29,3 bilhões. Caso não haja o aumento indicado pelo relatório do Banco, a proporção de brasileiros em situação de extrema pobreza pode pular dos 3,5% de 2015 para 4,2% em 2017.
 
O Banco considera em "extrema pobreza" todos aqueles que têm renda per capita inferior a R$ 70. Uma eventual ampliação do programa levaria o índice dos que estão nesta faixa para 3,5%.  Haveria impacto também para os brasileiros em situação de pobreza (renda per capita de R$ 170). Nesta área, a proporção subiria de 8,7% para 9,8%, no caso de não haver aumento do orçamento para o Bolsa Família. 
 
"Até agora, o Bolsa Família foi considerado um programa de redistribuição, mas ele também pode ser uma rede de segurança no sentido de dar dinheiro para pessoas que precisam. E, quando a economia melhorar, essas pessoas não precisarão continuar sendo beneficiárias", disse Skoufias. Mais de 28 milhões de brasileiros deixaram a linha abaixo da pobreza entre 2004 e 2014, segundo o estudo do Banco Mundial. 

0 comentários:

Postar um comentário